Scrolling Headlines:

UMass hockey returns home to battle juggernaut Northeastern squad -

January 18, 2018

Slow start sinks Minutemen against URI -

January 17, 2018

UMass three-game win streak snapped in Rhode Island humbling -

January 17, 2018

Trio of second period goals leads Maine to 3-1 win over UMass hockey -

January 16, 2018

Small-ball lineup sparks UMass men’s basketball comeback over Saint Joseph’s -

January 14, 2018

UMass men’s basketball tops St. Joe’s in wild comeback -

January 14, 2018

UMass women’s track and field have record day at Beantown Challenge -

January 14, 2018

UMass women’s basketball blows halftime lead to Saint Joseph’s, fall to the Hawks 84-79. -

January 14, 2018

UMass hockey beats Vermont 6-3 in courageous win -

January 13, 2018

Makar, Leonard score but UMass can only muster 2-2 tie with Vermont -

January 13, 2018

Pipkins breaks UMass single game scoring record in comeback win over La Salle -

January 10, 2018

Conservative student activism group sues UMass over free speech policy -

January 10, 2018

Report: Makar declines invite from Team Canada Olympic team -

January 10, 2018

Prince Hall flood over winter break -

January 10, 2018

Minutemen look to avoid three straight losses with pair against Vermont -

January 10, 2018

Men’s and women’s track and field open seasons at Dartmouth Relays -

January 10, 2018

Turnovers and poor shooting hurt UMass women’s basketball in another conference loss at St. Bonaventure -

January 8, 2018

Shorthanded, UMass men’s basketball shocks Dayton with 62-60 win -

January 7, 2018

Northampton City Council elects Ryan O’Donnell as new council president -

January 7, 2018

UMass power play stays hot but Minutemen lose 8-3 to UMass Lowell -

January 7, 2018

Precisamos reconsiderar como pensamos sobre o trabalho

(Erica Lowenkron/ Daily Collegian)

Escrito por Jonah Dratfield

Traduzido por Stephanie Alves

Editado por Vanessa De Souza Soares

Nos Estados Unidos, os alunos de faculdade são geralmente apresentados com duas opções: buscar nos estudos um diploma que lhes proporcionará um emprego remunerado e lucrativo ou seguir sua verdadeira paixão e realizar seus sonhos. O problema é que nenhuma dessas filosofias prepara os alunos para vidas significativas ou carreiras satisfatórias. Estar em busca de riqueza e status, somente, é uma receita que levará a uma vida insatisfatória; porém, a constante busca pela felicidade é a receita para se tornar miserável. Não há nada de errado em desejar um salário alto ou um trabalho agradável, mas os extremos provam ser desfavoráveis.

Estatísticas sobre trabalhadores americanos refletem isso. Além de haver uma falta de busca de empregos na área de STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) e na classe de colarinho azul, uma pesquisa de 2014 mostrou que mais da metade dos americanos estavam infelizes em seus trabalhos. Felizmente, temos a chance de melhorar esta situação se pudermos mudar como pensamos sobre o trabalho. Isso significa não só reavaliar nossas perspectivas sobre carreiras preparatórias, mas também reconsiderar as formas em que nossos trabalhos interagem com nossas vidas pessoais. Se pudermos proporcionar às pessoas caminhos profissionais que ponham em prática suas habilidades e interesses, não só seremos mais felizes, como também mais produtivos. No entanto, para fazer isso, precisamos reconsiderar os vários aspectos do sistema educacional e desconstruir as generalizações que impomos sobre diferentes campos de trabalho.

Embora muitas pessoas tenham interesse na área de STEM e procuram obter carreiras nesse campo, os programas relacionados são muitas vezes configurados de maneira que não estimulam o crescimento intelectual do indivíduo. Um estudo de 2011 mostrou que cerca de 60% dos alunos que começaram estudando STEM e pré-medicina não conseguiram completar seus diplomas nesses campos. Embora essas estatísticas tenham melhorado devido às iniciativas do mandato Obama, ainda existem inúmeros problemas com a forma em que esses modelos são projetados. Os cursos introdutórios de STEM geralmente cobrem uma quantia de material enorme em uma sala com mais de cem alunos, fazendo com que as necessidades individuais de cada aluno não possam ser atendidas. Além disso, há uma disparidade de gênero nestas classes, afetando a percepção dos alunos sobre si próprios. As mulheres são 1.5 vezes mais propícias a abandonar seu curso de STEM depois de completar uma classe de cálculo, fazendo-as obter muito menos diplomas de STEM do que os homens. Há também uma desigualdade racial relacionada ao desempenho. Estudantes negros, hispânicos e nativos americanos apresentam melhores resultados nos exames STEM do que os estudantes brancos e asiáticos, mas desistem de seus estudos de STEM mais constantemente. Evidentemente, as perspectivas da nossa cultura em relação aos trabalhos de STEM resultam na decadência da auto-estima e confiança de certas minorias em suas habilidades nesses campos. Isso está tendo um impacto prejudicial sobre a economia norte-americana, o campo em si e também sobre os estudantes.

A STEM está longe de ser a única área em que os estudantes têm seus estudos desnecessariamente interrompidos. Atualmente, há uma escassez de trabalhadores nas indústrias de colarinho azul. Isso inclui a falta de encanadores, eletricistas e maquinistas. Em grande parte, isso é um resultado do status que nossa sociedade concede a esses trabalhadores, não por causa do salário que esses trabalhos fornecem. Nossa sociedade parece ser incapaz de reconhecer a importância desses trabalhos para o crescimento da nossa economia. Existe um estigma associado a esses empregos que nos impede de reconhecer a habilidade necessária a ser desenvolvida por estes trabalhadores. Isso contrasta fortemente com a cultura de países como a Dinamarca, onde os coletores de lixo regularmente socializam com trabalhadores de colarinho branco e onde o status econômico não determina seu círculo social. Este é o tipo de sociedade em que devemos nos espelhar: uma sociedade na qual divisões sociais não decorrem de profissões. Se este ideal fosse praticado aqui, as pessoas que desejam desenvolver suas habilidades comerciais não se sentiriam como se estivessem decepcionando suas famílias ou se relegando a um baixo status. Estes trabalhadores alinhariam suas carreiras com seus interesses em vez de com as expectativas de suas comunidades.

Estou defendendo estudantes e trabalhadores em campos de colarinho azul e STEM, mas não estou de modo algum criticando as pessoas que escolhem as artes e as humanas como carreira ou caminhos educacionais. Um dos aspectos louváveis ​​do sistema educacional superior dos EUA é que o mesmo proporciona aos alunos a capacidade de buscar seus interesses. É de vital importância ter profissionais cujas carreiras estão centradas nas humanas e nas artes. Mas o que eu estou criticando é a nossa incapacidade de fazer trabalhos nas áreas de STEM e colarinho azul uma opção atingível para pessoas de todas as origens. Também estou criticando o fracasso do nosso sistema acadêmico quando o tema é o apoio às pessoas nesses campos e a incapacidade da nossa sociedade de reconsiderar nossas percepções sobre STEM e trabalho de colarinho azul.

Existem inúmeras pessoas que desejam trabalhar com suas mãos, com números ou em laboratórios. No entanto, não estamos fornecendo a essas pessoas caminhos que conduzam a sua prosperidade intelectual e profissional. Para remediar esta situação, precisamos reconsiderar a forma como pensamos sobre o trabalho. Quando fizermos isso, não só teremos uma economia melhor, mas um país melhor – um país em que o bem-estar e a riqueza coletivos progridem juntos.

Jonah Dratfield é colunista no Collegian e pode ser contatada através de jdratfield@umass.edu.

Leave A Comment