Massachusetts Daily Collegian

Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

Não houve ameaça no campus

%28Collegian+file+photo%29
(Collegian file photo)

(Collegian file photo)

(Collegian file photo)

Hang on for a minute...we're trying to find some more stories you might like.


Email This Story






Na manhã de sexta-feira, às 7h45, o Departamento de Polícia da Universidade de Massachusetts recebeu um telefonema em sua linha de denúncia anônima descrevendo um “homem negro agitado” subindo a rampa do prédio da administração de Whitmore. A denúncia dizia que o homem carregava uma “mochila pesada, quase batendo no chão”, segundo o chefe de polícia do UMPD, Tyrone Parham.

Reginald Andrade, funcionário da Universidade há 14 anos e gerente de consumo do escritório de Serviços para Deficientes, correspondia às características físicas descritas em detalhes na chamada. 

Andrade mantém a mesma rotina há vários anos. De segunda a sexta-feira, ele acorda às 4h da manhã, vai até o prédio Whitmore para deixar suas coisas por volta das 5h45, vai até o Centro de Recreação às 6h e retorna ao escritório para trabalhar por volta das 7h45 da manhã. Andrade disse que usava uma camisa cor salmão, calça cinza, sapatos pretos e uma  bolsa preta da Under Armour em seu ombro direito no caminho de volta de seu treino na academia.

O dia dele começou como qualquer outro, chegando ao seu escritório e conferindo seu calendário. Por volta das 8h45, depois de uma pausa no banheiro, Andrade retornou ao escritório para encontrar dois homens de roupas comuns que pediram para falar com ele.

Andrade disse que os homens se identificaram como detetives do UMPD e começaram a fazer perguntas.

“A que horas você acorda de manhã?” “Que horas você chegou ao campus?” “O que você fez no Centro de Recreação?” “Reg, quando você entrou no edifício hoje, você estava agitado?”

“Eles não me disseram o que estava acontecendo inicialmente, eles apenas continuaram me fazendo as perguntas. E eu apenas sentei na minha cadeira de escritório”, disse Andrade. “Eu estava tranquilo, sereno e calmo. Eu não tinha ideia do porquê eles estavam me questionando”. O chefe da polícia Parham disse que foi por acaso que o UMPD ouviu a mensagem anônima tão perto da hora em que foi chamada.

“Normalmente, se houver uma emergência acontecendo, ou algo que é realmente preocupante, as pessoas nos chamam, elas deixam seu nome e número e nos ligam imediatamente em uma linha que será respondida 24 horas por dia: para o 911 ou o nosso número 545-2121. Estamos sempre disponíveis 24 horas por dia”, ele disse. “Também abordamos relatos anônimos de forma um pouco diferente, em relação ao nível de credibilidade, porque nunca temos certeza sobre isso.”

Parham disse que, com base nos detalhes comportamentais suspeitos descritos na ligação anônima, isso era algo que o UMPD precisava investigar prontamente.

“Uma das coisas em que focamos, porque ouvimos algumas vezes, foi realmente o comportamento”, disse ele. “Portanto, não é necessariamente a descrição da pessoa, foram realmente os comportamentos que foram exibidos, quanto às razões pelas quais pensamos que precisávamos averiguar a situação.”

Enquanto a UMPD procurava pelo Whitmore, eles tinham o prédio bloqueado para entrada e saída.

“Durante essa busca, enquanto estávamos no prédio, outros funcionários perguntavam: ‘O que está acontecendo?’ Então, contamos a eles e lhes demos a descrição”, disse Parham. “Alguns dos funcionários diziam com clareza ‘Oh, eu acho que sei quem é. (Ele) entra todos os dias, vai à academia, carrega uma mochila grande, etc. etc. ‘ Então, em questão de minutos, com a informação, descobrimos que na verdade era uma pessoa que trabalhava no prédio.”

De acordo com Parham, o Whitmore ficou fechado por menos de 30 minutos enquanto o UMPD procurava por uma ameaça.

“Quando identificamos a pessoa que pensamos que seria, tentamos ser o mais profissional possível, deixando que ele soubesse o histórico, como esta [chamada] chegou. Os policiais que estavam no local chegaram de fato à paisana, intencionalmente para ser muito casual”, disse ele. “Isso não era para ser um tipo de situação assustadora. Na verdade, estávamos  confirmando, porque a essa altura nos disseram: ‘Sim, é este trabalhador’. Precisávamos agora realmente confirmar.”

Um dos lemas da UMass é “Construir uma comunidade de dignidade e respeito”. Esse slogan pode ser encontrado em todo o campus, inclusive em uma placa na entrada de Whitmore.

“Estamos enfatizando a dignidade e o respeito neste ano, e isso é fundamental para o que somos”, disse Ed Blaguszewski, diretor executivo de comunicações estratégicas da UMass. “O que nos preocupa são as particularidades do assunto em termos de como ele foi chamado e as especificidades da descrição, e isso foi de alguma forma desenvolvido para tentar levar a polícia a responder.”

“Chamar a linha de denúncia anônima era muito incomum, e apenas a riqueza do detalhe era incomum. Então isso nos faz parar e pensar: ‘Existe algum tipo de agenda aqui para a pessoa que está chamando?’ Nós não sabemos, mas acho que isso leva a questionar”, acrescentou.

Andrade ligou isso ao incidente de discriminação racial que ocorreu no campus do Smith College em julho. O local para o retiro dos trabalhadores do escritório no Whitmore em agosto foi o Smith College. Andrade disse que mudaram o local porque ele não queria ir para o campus.

“Nosso retiro foi movido por minha causa, porque eu fiz questão de notar que eu me senti desconfortável indo para Smith College por causa de incidentes de perfis raciais e eu não me sentiria seguro estando no campus por dois dias.”

“Ninguém é racialmente perfilado no meu escritório, só eu. Eu sou o único homem negro que trabalha em nosso escritório. Há muitos poucos homens negros que trabalham na administração do Whitmore, ponto”, disse ele.

“A UMass acabou de ser classificada como número 26 no país dentre universidades públicas. As pessoas ainda estão sendo perfiladas racialmente vindo da academia”, acrescentou.

Parham disse que não há como rastrear chamadas que chegam na linha anônima da UMPD.

“Gostaríamos de identificar e falar com o chamador, apenas para entender mais sobre essa situação em relação ao que exatamente eles achavam que era suspeito ou por que esse método específico (foi usado) de chamar a polícia na linha anônima”, disse ele.

De acordo com Parham, eles acreditam que pode ser um funcionário que trabalha no Whitmore, mas considerando que vários funcionários identificaram Andrade pelas descrições dos detetives, eles não têm certeza.

Blaguszewski disse: “Nós realmente queremos que as pessoas entendam que nós responderemos a essas coisas de uma forma rápida e adequada, e é perturbador quando as pessoas sentem que eles são de alguma forma identificadas e discriminadas por sua cor.”

“Foi realmente sobre como seu comportamento foi percebido. As pessoas andam com bolsas de ginástica o tempo todo. Eles andam por aí com as mesmas, as levam para os seus escritórios, mas o contexto de tudo isso junto gerou  a resposta adequada da polícia, mas de uma maneira profissional e rápida.”

Hayley Johnson pode ser contatada através de [email protected] e no Twitter @hayleyk_johnson.

Stephanie Alves é tradutora de Português e pode ser contatada através de [email protected]

Vanessa de Souza Soares é editora de Português em pode ser contatada através de [email protected]

Leave a Comment

If you want a picture to show with your comment, go get a gravatar.




Navigate Right
Navigate Left
  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    Question 1 sparks controversy among hospital employees

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    Feinberg Series lecture discusses Venezuela’s communes in a historical perspective

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    Paws Program brings therapy dogs to brighten a cold week of midterms

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    A year earlier than expected, Trivigno is finding ways to contribute on UMass’ second line

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    Minutemen face No.1 Ohio State in first road series this season

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    The Minutemen continue to struggle in conference play with loss to Davidson

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    Backcourt competition heating up with UMass basketball three weeks from opener

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    UMass field hockey faces a vengeful Northeastern team

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    With added bench depth, UMass men’s basketball looks to play at faster pace

  • Dica anônima enviada à UMPD sobre alegações de um “homem negro agitado”; o funcionário da universidade estava caminhando para o trabalho

    Archives

    Letter: Vote yes on Question 5